Página Inicial / Notícia / Economia

Apicultores santanenses já amargam prejuízos por conta de incêndio

O incêndio florestal que vem atingindo o município de Santana do Piauí há vários dias, tem dizimado tudo pela frente e causado inúmeros prejuízos a população, especialmente moradores rurai

03/10/2019 - João Rodrigues

/ Foto: João Rodrigues

O incêndio florestal que vem atingindo o município de Santana do Piauí há vários dias, tem dizimado tudo pela frente e causado inúmeros prejuízos a população, especialmente moradores rurais. Mata nativa, roças e pastagens já foram transformadas em cinzas.

O gigantesco incêndio florestal no município vem sendo combatido por uma força-tarefa formada pela prefeitura, através das secretarias de Obras e de Agricultura Meio Ambiente e Recursos Hídricos, contando com colaboração de populares.

A patrulha mecânica do município, formada por trator e carro-pipa também tem sido utilizada no combate às chamas.

Embora o esforço concentrado tenha controlado o fogo, focos de incêndio ainda podem ser vistos em uma extensa área territorial, envolvendo várias comunidades santanenses.

Além de modificar o aspecto geográfico do município, o incêndio também vem causando prejuízos à economia local.

Um dos seguimentos econômicos do município que já registra prejuízos com as queimadas é o setor apícola.

Santana do Piauí é um importando produtor de mel de abelha da região centro-sul piauiense. Conforme cálculos da Associação dos Pequenos Produtores de Mel e Agricultores Rurais de Santana do Piauí, nesse ano de 2019, foram colhidas cerca de 27 toneladas do produto no município.

O mel santanense tem certificação orgânica, sendo exportado pela Casa Apis e consumido pelos mercados americano e europeu.

“Com o fogo várias colmeias já foram destruídas e outros tantos enxames ficaram debilitados com a onda de calor e fumaça ocasionada pelas chamas”, lamentou Ronaldo Araújo, apicultor e presidente da associação.

Ronaldo Araújo

De acordo com o produtor, até agora, pelo menos cinquenta melgueiras já foram destruídas pelas chamas e cerca de 70 enxames estão comprometidos. Segundo o apicultor o prejuízo só não foi maior, por que grande parte dos enxames está no vizinho estado do Maranhão e só retornarão ao município no início do período chuvoso.

“Os prejuízos na apicultura local podem ser bem maiores, levando em consideração que grande parte da mata nativa foi queimada, prejudicando o surgimento da pastagem apícola natural, com as primeiras chuvadas”, pontuou Ronaldo.

Secretário de Agricultura, Netinho Moura

O apicultor e secretário de Agricultura Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Netinho Moura, disse que a administração de prefeita Maria José (Progressistas), está concentrando todos os esforços no sentido de minimizar os prejuízos causados pelo incêndio em todas as cadeias produtivas do município, incluindo a apicultura.

“A administração da prefeita Maria José, está tomando todas as medidas possíveis para debelar o incêndio e evitar que outros prejuízos sejam causados ao município. Estamos apostos e na linha de combate as chamas”, pontuou Netinho.