Página Inicial / Notícia / Geral

Em Picos, Wellington Dias fala sobre paralisação na obra de recuperação da PI-375

Existe a expectativa de que a obra de recuperação asfáltica seja retomada no primeiro semestre de 2019.

12/01/2019 - João Rodrigues

Governador Wellington Dias / Foto: ASCOM

Por Paula Monise

Em visita a cidade de Picos na manhã desta sexta-feira (11), o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) falou à imprensa sobre a paralisação na obra de recuperação asfáltica da PI-375, que interliga Santana do Piauí ao município picoense.

Wellington Dias (PT) destacou que a paralisação ocorrida ainda em 2017 se deve ao impasse burocrático na liberação da segunda parcela do empréstimo a ser concedida pela Caixa Econômica Federal que está estimada em R$ 246 milhões de reais.

“A estrada  de Santana é uma obra de reconstrução e ela está na dependência da Caixa Econômica. Tivemos problemas, tenho colocado isso publicamente na condução desse processo, na relação com a Caixa. Foi uma burocracia diferente de todos os contratos que já havíamos trabalhado e por essa razão a obra foi paralisada”, afirmou o governador.

PI-375 com obra de recapeamento asfáltico paralizada (Foto: ASCOM)

Em se tratando do andamento do processo, Wellington Dias (PT) afirmou que no início da presente semana o mesmo já esteve reunido com representantes da Caixa Econômica e que até a próxima semana a parcela financeira deve ser liberada.

“Tivemos agora uma agenda na última segunda-feira e o compromisso do superintendente é que nesta sexta-feira possamos ter a aprovação. É uma prestação de contas que era a última exigência e com ela teremos a liberação do recurso. Não temos nenhuma medição atrasada, mas entendemos que as empresas de forma cautelosa necessitavam da liberação do recurso”, concluiu.

Após a liberação dos recursos as obras poderão ser retomadas ainda no primeiro semestre de 2019.

A obra de recuperação asfáltica da PI-375 foi iniciada em abril de 2017 e paralisada em junho do mesmo ano. Atualmente o trecho se encontra tomado por buracos que põem em risco a vida dos condutores que por ela trafegam.

Fonte: ASCOM